Reserva de Emergência

Reserva de Emergência

Atualizado: 15 de Dez de 2020

Se você é um aspirante a investidor, provavelmente já ouviu falar sobre reserva de emergência. Se não, senta aí que esse é um assunto essencial para quem pretende começar a investir!

Como o próprio nome diz, a reserva de emergência é um dinheiro que fica guardado para casos de emergências. É essa grana que vai te dar a tranquilidade para passar por momentos de dificuldade que eventualmente surgirão na sua vida — e acredite, eles surgirão. Emergências são imprevisíveis e podem vir das mais diversas maneiras: pode ser seu cachorrinho que passou mal e do dia pra noite você tem uma conta do veterinário pra pagar, pode ser uma telha que caiu e agora está chovendo na sua cama, o computador que você usa pro home office deu problema e agora é preciso consertar pra poder trabalhar ou quem sabe SURGE UMA PANDEMIA QUE CONTAMINA DEZENAS DE MILHÕES DE PESSOAS E PARA A ECONOMIA DURANTE MESES. Este último cenário, que uns meses atrás seria piada, agora não parece tão absurdo assim, não é mesmo? Emergências acontecem e é bom estar preparado para elas.

Embora possa ser tentador ter um dinheirinho guardado, é preciso ter foco na hora que bater aquela vontade de pedir 100 reais em comida japonesa no sábado à noite. Você pode — e deve — separar dinheiro para seus lazeres e coisas que te fazem feliz, como mostramos muito bem no nosso Guia de Finanças Pessoais, mas é importante lembrar que esse colchão financeiro é apenas para EMERGÊNCIAS e, infelizmente, desejo de comer sushi não é uma delas ☹.

E quanto dinheiro devo colocar nessa reserva de emergência?

Em média, é recomendado que guarde por volta de 6 meses do seu custo de vida, de modo que, por exemplo, caso perca o emprego por causa de uma pandemia, você possa se sustentar durante vários meses sem ter uma queda considerável na sua qualidade de vida. Esse valor, na verdade, varia de pessoa para pessoa: quanto mais incerta for a sua renda, maior deve ser a sua reserva. Funcionários públicos podem se dar ao luxo de ter em torno de 4 meses de sua renda reservada, enquanto que para trabalhadores autônomos seria mais seguro chegar até a 1 ano do seu custo de vida guardado.

Pensando em um estagiário hipotético, que tem 1000 reais como custo de vida mensal, seria ideal ter por volta de 6000 reais guardados para caso seu chefe resolvesse cortar custos na empresa. Esse dinheiro não apenas pagaria as contas dentro de casa e manteria sua qualidade de vida, como também daria a possibilidade de procurar outro estágio com tranquilidade nos próximos 6 meses, sem ter que procurar ofertas que não estejam dentro do seu objetivo de carreira.

Onde colocar esse dinheiro?

Bem, vamos de cara excluir o colchão ou o porquinho no seu armário. Dinheiro em espécie perde valor ao longo do tempo por causa da inflação e não queremos que suas notas estejam desvalorizadas com relação ao mercado no momento em que precisar delas. O ideal é pôr o seu dinheiro em um investimento seguro, que te proteja da inflação e que tenha liquidez — isto é, que você possa resgatá-lo no momento em que precisar.

Existem várias opções, mas o Tesouro Selic e CDB (Certificado de Depósito Bancário) de liquidez diária — rendendo ao menos 100% do CDI e com cobertura do FGC — de bancos digitais são as mais utilizadas atualmente. Ambos são seguros, possuem pouca volatilidade, rendem mais que a poupança e podem ser resgatados com agilidade.

É claro que existem investimentos que rendem bem mais, mas esse não é o objetivo da reserva de segurança. De nada adianta colocar seu dinheiro em um investimento que renda 747% do CDI se você terá que aguardar o vencimento no ano de 2035 para resgatá-lo. Sua emergência não vai esperar 15 anos para você poder ter o dinheiro em mãos! Dessa maneira, também ficam descartados investimentos em renda variável por causa da volatilidade do montante investido, que pode trazer surpresas negativas no momento em que mais precisar.

Como montar a reserva de emergência?

Você provavelmente não vai tirar esse dinheiro todo do seu bolso de um mês para o outro! Se você está começando a reserva do zero, é imprescindível que suas finanças estejam organizadas, pois parte dos seus ganhos mensais terá esse destino. Uma vez que a reserva estiver pronta, essa fração mensal do seu dinheiro poderá ir para investimentos com foco em outros objetivos!

Note que ter uma reserva de emergência é imprescindível não só para quem deseja investir, mas também para todos que quiserem ter a saúde financeira em dia. Se você sentir que precisa de algum auxílio para organizar suas contas, recomendamos fortemente a leitura do nosso Guia de Finanças Pessoais, no qual aprofundamos o processo de montagem da reserva de emergência, damos um guia para controlar seus gastos e prioridades, além de dicas financeiras úteis para seu cotidiano!

Grande abraço e até a próxima galera!

Artigo por: Pedro Franco

Revisado por: Rodrigo Monroe e João Marcos

Deixe um comentário