O cheque especial pode ser um aliado?

O cheque especial pode ser um aliado?

Olá, leitor. Tudo bem com você? 

Hoje vamos falar sobre um dos assuntos que mais aterroriza o brasileiro por ser um dos responsáveis pelo alto endividamento pessoal: o cheque especial. De mais de 60 milhões de brasileiros endividados, cerca de 52% entraram nessa lista por conta dessa forma de crédito segundo o Serviço de Proteção ao Crédito (SPC). Quer saber mais e usá-lo ao seu favor em vez de contra? Segue com a gente que o conteúdo está saindo do forno!

O que é o cheque especial?

Para introduzir, precisamos entender do que se trata o cheque especial. Apesar do nome sugerir, ele não é como um talão físico que você possui e pode simplesmente utilizar para realizar alguns pagamentos. Na realidade, ele representa um crédito fornecido pelo seu banco quando sua conta corrente fica zerada. Ou seja, o cheque especial se trata de uma espécie de empréstimo automático de alta praticidade, visto que você não precisa entrar em contato com o banco para contratar o serviço, ele existe desde o momento de abertura da conta.

Parece ótimo, não é? Mas então por que isso pode ser um problema para você?

Esse crédito não é apenas cedido de bom grado pelo banco como uma mãe que empresta dinheiro ao filho e nunca se lembra de cobrar. Como não há garantias associadas ao seu pagamento, ele é uma das modalidades de crédito mais caras do país. Isto é, suas taxas de juros são muito altas, limitadas em 8% ao mês pelo Banco Central, o que equivale a 151,8% ao ano. Porém, cada instituição financeira decide a taxa a ser cobrada pelo cheque especial, considerando informações básicas do cliente, como a renda mensal movimentada na conta, histórico de pagamentos e o tempo de abertura da conta. Podemos observar as taxas cobradas por alguns bancos na Tabela 1.

Tabela 1 – Taxa mensal cobrada por bancos referente ao cheque especial em 2020.

BancoTaxa Mensal
Itaú7,71%
Caixa5,13%
Banco Inter6,00%
C67,26%
Banco do Brasil7,60%
Bradesco7,73%
Santander7,95%

Fonte: Banco Central.

É necessário deixar claro que essa modalidade utiliza juros compostos de cálculo diário, ou seja, diariamente essa taxa de juros é aplicada sobre o valor inicial e os juros já acumulados, por isso pode custar tanto ao bolso do cliente. Porém, devemos nos atentar ao fato de que, caso a dívida passe desse tempo limite, serão cobrados juros retroativos por todos os dias a partir do uso do cheque especial. Outro fator que pesa em sua utilização é a cobrança do IOF (Imposto sobre Operação Financeira), outra taxa que o governo cobra pela utilização desse crédito, de 0,38% sobre o valor utilizado e 0,0082% diariamente até que seja quitada a dívida.

Além disso, muitos brasileiros veem essa forma de crédito como um dinheiro a mais em sua conta, apenas porque ele está disponível a qualquer momento sem muita dificuldade. Esse fator leva ao gasto abusivo de dinheiro e, sem planejamento algum, não há para onde correr em caso de emergência financeira. Outro pensamento que vem à cabeça de quem utiliza o cheque especial é o de que, após 5 anos de dívida e cadastro no SPC e Serasa como inadimplente, seu CPF será limpo. Essa questão, entretanto, não zera a dívida acumulada e nem futuras cobranças de parcelas, além de também permanecer no histórico do consumidor, afetando seu acesso ao crédito futuramente.

Como ele pode te ajudar?

A visão positiva de um cheque especial pode ser dada apenas em situações pontuais, como uma solução rápida para momentos de aperto emergenciais, em que se possa rapidamente cobrir o valor gasto. Esse uso é altamente interessante em caso de instituições financeiras que cobrem um período limitado de tempo sem que haja a cobrança de juros. Porém, lembre-se de que é necessário cobrir o montante gasto antes do término do prazo! Caso não seja possível, deve-se realizar a troca dessa dívida por opções de crédito de taxas menores, como o empréstimo com garantia ou o empréstimo consignado, negociando com o banco a melhor forma de pagamento.

Portanto, o cheque especial não deve ser visto como complementar à sua renda, uma vez que é um dinheiro que você não possui de fato. Lembre-se que essa é uma dívida que carrega consigo uma das mais altas taxas de juros, bem como acarreta em pagamento de impostos associados. Para usar a seu favor, é necessário um controle e planejamento financeiro rigoroso, avaliando seus gastos e rendimentos para evitar supérfluos. De forma complementar, é fundamental manter uma estabilidade no orçamento, estabelecendo limites e organizando seus pagamentos para evitar ao máximo o seu acionamento.

Autora: Barbara Luz

Revisores: Guilherme Augusto e Rodrigo Monroe

Referências

BANCO BRADESCO. FAÇA DO CHEQUE ESPECIAL UM ALIADO DE SUAS FINANÇAS. Disponível em: <https://banco.bradesco/html/classic/novo-educacao-financeira/credito-responsavel/template_ChequeEspeAliadoMudan.shtm>. Acesso em: 10 fev. 2021.

CAMARGO, S. Vive no cheque especial? 7 dicas para largar o hábito que arruína o bolso. Disponível em: <https://economia.uol.com.br/financas-pessoais/noticias/redacao/2017/08/10/cheque-especial-financas-pessoais-orcamento-endividamento.htm>. Acesso em: 20 fev. 2021.

EDUARDO MOREIRA. Cheque especial: vilão ou aliado? Disponível em: <https://edumoreira.com.br/cheque-especial-vilao-ou-aliado/>. Acesso em: 10 fev. 2021.

FRUTUOSO ADVOCACIA. Cheque especial: aliado ou ameaça?Frutuoso Advocacia, 10 maio 2018. Disponível em: <https://frutuosoadvocacia.adv.br/cheque-especial-aliado-ou-ameaca/>. Acesso em: 10 fev. 2021

MARQUES, F. Cheque especial: o que é, como funciona e como calcular os juros? | Exponencial. Disponível em: <https://www.creditas.com/exponencial/como-funciona-cheque-especial/>. Acesso em: 18 mar. 2021.

MÁXIMO, W. Juros do cheque especial sobem e taxas do rotativo caem em setembro. Disponível em: <https://agenciabrasil.ebc.com.br/economia/noticia/2020-10/juros-do-cheque-especial-sobem-e-taxas-do-rotativo-caem-em-setembro>. Acesso em: 2 mar. 2021.

NUBANK. Cheque especial ou empréstimo pessoal: qual vale a pena? Disponível em: <https://blog.nubank.com.br/cheque-especial-ou-emprestimo-pessoal/>. Acesso em: 20 fev. 2021.

UOL. IOF (Imposto sobre Operações Financeiras): O que é? Onde é aplicado? Qual o valor, quem tem que pagar, qual a taxa para compra no exterior, cartão de crédito, financiamento de veículos, seguros, como é feita a cobrança. Disponível em: <https://economia.uol.com.br/noticias/redacao/2019/12/11/iof-imposto-sobre-operacoes-financeiras-taxa-valor-onde-e-aplicado.htm>. Acesso em: 2 mar. 2021. 

Deixe um comentário