Declarando imposto de renda para investimentos de renda variável: passo a passo

Todos já ouvimos de algum parente que fazer imposto de renda é bem difícil e trabalhoso, não é? Sempre há aquele vizinho que foi pego pela malha fina, o conhecido que esqueceu de enviar, ou o colega que deixou para última hora e não teve tempo de terminar. Pois é, o leão pode ser bem assustador e pode acabar intimidando as pessoas na hora de fazer o primeiro aporte em renda variável, pois isso implicaria em passar a declarar o imposto de renda no ano seguinte.

Se você assim como eu já teve medo do IR e está adiando ou adiou o seu primeiro investimento em renda variável por causa disso, venha com a LIEQ que nós vamos te mostrar que não é tão difícil assim! Felizmente, o processo todo pode ser realizado online e vamos apresentar as ferramentas que facilitarão o seu trabalho.

Antes do primeiro passo, temos o estudo! SURPRISE

Pra garantir que você entenda o que está fazendo, é sempre bom estudar antes de colocar a mão na massa, então dê uma olhadinha aqui no artigo escrito pela Gabi, onde ela explica tim-tim por tim-tim os principais pontos sobre o IR. para outras rendas, como salário e investimentos em renda fixa.

O primeiro passo é então entrar no site da receita federal e realizar o download do programa onde você irá fazer a declaração.

Ao acessar o site, escolha o seu sistema operacional e após o download basta seguir as instruções de instalação

Ao abrir o programa, clique em iniciar uma declaração em branco, adicione as suas informações, e em seguida preencha a página “identificação do contribuinte”.

Com o básico feito, a segunda coisa que você deve fazer é declarar toda a sua posição em fundos imobiliários no dia 31/12/2019, isto é, quantas cotas você tem e qual o preço médio que pagou por essas cotas até o referido período.

Estas informações serão adicionadas em “Bens e Direitos” no canto esquerdo no programa, e então clique em “novo”, no canto inferior direito.

Em “código”, coloque o número 73 – “Fundo de investimento imobiliário” e entre no seguinte site para encontrar o CNPJ e o nome de cada fundo:

Como FLMA11 é um dos títulos em minha carteira, o exemplo será dado com ele. Podemos encontrá-lo usando o comando localizar (CTRL+F no Windows) (command + F no Mac).

Em seguida, podemos coletar as informações de cotas compradas e preço médio de diversas maneiras:

1) a primeira opção é usar um aplicativo que faça isso por você. O aplicativo Kinvo, por exemplo, é gratuito e cumpre bem o dever. Basta fazer o download, se cadastrar e fazer o login com sua conta da CEI – o Canal Eletrônico do Investidor, onde ficam informadas as suas posições atuais e histórico de operação. Então clique em Carteira > Produtos > FLMA11 (ou o seu FII) > e procurar por dezembro do ano anterior, conforme mostra o print:

Estamos interessados no preço médio e na quantidade de cotas que temos, e com o app não é necessário fazer nenhuma conta complicada, basta multiplicar o preço médio (PM) pela quantidade de cotas que você possui para obter o valor total investido! Não se preocupe com o “Saldo atual”, ele varia dependendo do valor da cota e o que nos interessa foi o dinheiro aportado, não o quanto ele variou.

2) A segunda opção é procurar as informações no site da sua própria corretora, procurando por notas de negociação ou notas de corretagem. Atenção, pois talvez seja necessário que você mesmo calcule o preço médio, fazendo uma média ponderada do preço comprado com a quantidade de ações!

Minha corretora é a Easynvest, então fica aí o exemplo de onde encontrar as informações nela.

Login> Mais > Notas de negociação > Preencher os dados conforme o print > Selecionar as datas nas quais foram feitas compras durante o ano de 2019.

3) E uma terceira opção é manter a organização preenchendo uma planilha no excel sempre que fizer um novo investimento!

Não sabe como criar uma tabela automática que faça os cálculos pra você??

Vamos disponibilizar um link com a nossa tabela já pronta pra você baixar de graça.

Clique para acessar a planilha de controle de ações.

Clique para acessar a planilha de controle de FII’s.

Como estamos adicionando o FLMA11, vamos pegar as informações dele: queremos o total de dinheiro que está investido no último dia do ano e a quantidade de cotas que você tem nessa data também (31/12/2019). Basta observar que possuo 100 cotas de FLMA11, e que meu preço médio é de 2,96. Multiplicando PM x Quantidade de cotas, tem um total de R$ 296,00.

Preenchemos então o CNPJ, a descrição com a quantidade de cotas e o custo total, sem esquecer de colocar lá embaixo a situação em 31/12/2018 e 31/12/2019.

Atenção: se você já havia comprado cotas no ano de 2018, deverá discriminar apenas as compradas em 2019. A informação do outro ano entra apenas em “situação em 31/12/2018”. (onde ela está?)

O próximo passo é adicionar os rendimentos, que são pagos mensalmente aos cotistas pelos fundos imobiliários.

Dessa vez entraremos em “Rendimentos Isentos e Não Tributáveis”, afinal, uma das grandes vantagens dos FIIs é não pagarmos imposto de renda sobre os rendimentos mensais que recebemos!

Novamente podemos usar o Kinvo para nos ajudar. Basta entrar na área de extrato e somar os rendimentos recebidos em cada mês para o seu fundo imobiliário.

Essas informações também podem ser encontradas no extrato da sua corretora, e também é sempre uma boa ideia ir se organizando e ir adicionar esses rendimentos ao longo do ano em uma planilha! 😉

Ao adicionar as informações do título e o valor total dos rendimentos, temos mais uma parte da declaração terminada!

E se você tiver vendido as cotas de um fundo imobiliário também em 2019?

Então, em renda variável, deve clicar em “operações fundos de investimentos imobiliários”. Depois você deve adicionar na primeira coluna (resultado líquido do mês) o valor do lucro ou prejuízo que obteve com a venda do título.

ATENÇÃO

É muito importante lembrar que logo após a venda de fundos imobiliários você tem que gerar, preencher e pagar uma DARF pra pagar o imposto!

Viajou e não sabe o que é DARF? O que acha de fazermos um artigo apenas sobre isso? Fala com a gente!

Já na coluna “imposto retido no mês” é preciso colocar o valor que ficou retido automaticamente na hora que você vendeu o fundo. É um valor bem pequeno, conhecido como “dedo-duro”, que serve para a receita federal reconhecer operações que precisam ser declaradas. Este valor pode ser encontrado na nota de corretagem da operação na sua corretora de valores. Na última coluna então basta colocar o valor pago na DARF, de 20% do lucro sobre a venda!

Finalmente, seu primeiro título está declarado! Agora basta repetir o processo para os seus outros FIIS e, caso queira declarar também ações e ETFs, deve-se realizar pequenas alterações.

*vale lembrar que uma vez que você tenha que declarar algo para o imposto de renda, automaticamente todo o resto do seu patrimônio também deve entrar junto, como por exemplo seus investimentos em renda fixa, dinheiro parado na conta do banco, até dinheiro na poupança, salários e até bolsas da faculdade. Basta procurar pelo “Informe de Rendimentos” de cada instituição. Lá está discriminado bonitinho onde deve entrar cada informação.

Espero que com esse artigo você tenha perdido o medo do imposto de renda. Difícil não é, mas pode ser bem cansativo se deixado para a última hora! Por isso, uma boa organização e realizar o trabalho aos poucos ao longo dos meses é uma ótima estratégia para facilitar a sua vida!

Bons investimentos!

Texto por Pedro Franco

Deixe um comentário