Caridade Eficiente

Caridade Eficiente

Ei, você aí, tem um minutinho para falarmos sobre caridade?

Aqui na LIEQ, nós nos dedicamos, com o melhor da nossa capacidade, para tentar levar educação financeira às pessoas: como planejar suas finanças, investir para aposentadoria ou pura e simplesmente como ganhar dinheiro com ativos financeiros para o seu fim particular. Nenhuma dessas atividades; entretanto, são um fim em si mesmas. Você não quer organizar sua vida financeira ou ganhar dinheiro, porque a atividade em si é boa, mas porque ela te permite fazer coisas boas e te protege contra coisas ruins. Mas qual é o próximo passo? Isto é, quais são essas coisas boas para as quais você deseja dinheiro — e quais as ruins das quais você se protege?

Isso varia de pessoa para pessoa, mas existem algumas linhas gerais comuns a (quase) todos. Independência financeira te dá, principalmente, a oportunidade de olhar pro céu, ao invés de ficar sempre olhando pra terra procurando o próximo pasto, e também te protege, muitas vezes, dos imprevistos que acontecem com todo mundo, sendo um elemento extra de segurança. Com moderação, dinheiro é uma ferramenta que torna a vida de todo mundo melhor. E é exatamente por isso que viemos falar sobre caridade hoje.

Atribuir a felicidade à posse de dinheiro ou aos seus usos já é descrito desde que o mundo é mundo como uma das maneiras mais certas de ser uma pessoa miserável[1] — escravizada pelos próprios desejos, num estado vacilante entre picos de prazer e abstinência — ao passo que uma vida em escassez é igualmente conducente a uma sub-vida de desespero e sobrevivência. A conclusão é sempre a mesma: o caminho da moderação é o verdadeiro caminho da felicidade [2].

Se por algum acaso você tem mais do que você precisa ou se sente privilegiado por ter mais que os outros, sem necessariamente ter feito algo para obter isso (ou mesmo tendo feito), não seria uma atitude boa (boa em si mesma) você doar o excedente para aliviar o sofrimento alheio ou assegurar que outros possam ter esse gosto de segurança e conforto? Não seria melhor que você permitisse tanto a você quanto ao outro o caminho da moderação e fazer duas pessoas felizes, ao invés de promover um caminho do excesso e o outro da escassez, fazendo duas pessoas miseráveis?

Não cabe à minha competência definir o que seria uma vida moderada ou o quanto você deveria ter ou dar, mas três linhas gerais podem servir de guia:

  1. Doe o que lhe couber agora, porque (quase) sempre haverá uma pessoa relativamente mais pobre que você, de forma que sempre haverá uma oportunidade da pessoa com excesso relativo (você) de doar para a outra em situação pior. Inclusive, uma doutrina particularmente relevante na nossa sociedade prega que maior é a caridade quanto mais ela fizer falta [3];
  2. Não caia na auto-enganação de esperar melhorar de vida para começar a doar. Dificilmente estamos contentes com a nossa posição atual, então essa linha do “melhorar de vida” acaba sendo puxada indefinidamente pra frente e o projeto nunca sai do lugar;
  3. Não aumente o luxo da sua vida só porque você ganha mais dinheiro. É muito comum que se compre objetos cada vez mais caros ou se mantenha um estilo de vida cada vez mais ostentador conforme se sobe de classe social, sem necessariamente haver um ganho proporcional de felicidade. Por outro lado, nunca ouvi ninguém falar que caridade, depois de um certo montante doado ou um certo número de vezes, deixa de transformar a vida das pessoas ou comunidades que as recebem ou que o doador fica menos feliz com o tempo.

Espero ter sido suficientemente convincente em te mostrar como caridade pode ser bom não só para quem recebe, mas também para quem doa. Além disso, existe um benefício de menor importância, porque doações para caridade são passíveis de desconto no imposto de renda, que você pode conferir com mais detalhes aqui.

Agora, que você está super animado em fazer sua primeira doação, vamos para algumas instruções mais práticas relativas à doação eficiente. Nós somos investidores, e caridade é um investimento num mundo melhor, logo, nós devemos buscar as instituições mais capazes de fazer a boa ação, evitar as fraudulentas e planejar as nossas aplicações.

Como doar de maneira eficiente?

I . Sobre os montantes de doação e intervalos de tempo

Uma pergunta muito comum quando você pensa em doar o seu dinheiro é: “Eu deveria ir doando aos pouquinhos e sempre ou juntar uma grande soma — talvez rendendo em algum lugar — e fazer uma grande doação de tempos em tempos?”.

Vejamos: se você juntar o seu dinheiro, ele renderá a juros compostos e, se você não fez besteira com ele, passado um tempo razoável o rendimento será positivo. O resultado disso é que o dinheiro aplicado (e aportado continuamente) somado aos rendimentos irá gerar um montante para doação maior do que a soma das pequenas doações.

Por outro lado, não é muito difícil ver que as suas doações também crescem de maneira composta, observe: se você doar dinheiro para uma instituição que planta árvores com objetivo de diminuir a quantidade de CO2 na atmosfera e que o número de árvores plantadas será proporcional às doações recebidas — porque haverá mais pessoal, equipamentos, etc. — o pouco dinheiro que você deu hoje para plantar uma pequena quantidade de árvores vai valer mais do que o mesmo dinheiro que você der amanhã, porque a árvore de hoje terá tido mais tempo para absorver o dióxido de carbono (rendimento) e mais tempo para fazer outras árvores (um rendimento que gera mais rendimento, ou seja, rendimento composto). A mesma coisa aconteceria se, por exemplo, você fizesse doações para dar refeições para crianças em situação de extrema pobreza, que impactadas pelo projeto, muitas vezes acabam por também trabalharem em prol da causa quando adultas.

Tendo argumentos para uma ou outra prática, nós recomendamos o caminho intermediário por algumas razões:

  1. Se você fizer doações muito pequenas, o intermédio financeiro, taxas operacionais, os impostos e outros possíveis gastos comerão uma parte — proporcionalmente falando — maior da caridade;
  2. Se você esperar um prazo muito determinado para deixar seu investimento render, você pode ficar numa sinuca de bico se a condição atual do mercado ou uma flutuação te deixar numa posição ruim e você for forçado a retirar;
  3. Doar em prazos mais curtos pode ser uma maneira de “diversificar” a caridade que você faz, porque, digamos, o rendimento composto da árvore filtrando CO2 e fazendo mais árvores pode ser proporcionalmente superior ou inferior ao rendimento que o seu investimento num dado momento poderia gerar, ao convertê-lo na caridade, num dado momento.

Logo, você pode maximizar a eficiência das suas doações através de intervalos intermediários — não podemos ser muito quantitativos aqui, porque isso vai depender do quanto você consegue juntar ao longo do tempo para fazer uma doação. Se sua renda é a sua bolsa de iniciação científica, o primeiro argumento, por exemplo, será especialmente relevante e irá impor intervalos maiores; se você for um fundo bilionário e estiver quase 100% investido no mercado, o segundo argumento sugerirá tempos relativamente curtos.

II. Sobre as organizações fraudulentas

Uma segunda pergunta é: “Como maximizar o uso do meu dinheiro e não doar a instituições fraudulentas?”

Eu arrisco dizer que para cada coisa já criada, alguém já pensou numa forma de falsificá-la para poder dar golpes. Com as instituições de caridade não é diferente. Muitas pessoas se aproveitam da sensibilização alheia com o tema para poder conseguir dinheiro fácil e isso é especialmente comum de acontecer quando a arrecadação é para um desastre recente. Na era digital isso é especialmente efetivo através do uso de sites maliciosos. Por conta disso, eu vos apresento o Charity Navigator.

Charity Navigator

O Charity Navigator é uma plataforma que além de ser um database de fundos de caridade, provê métricas de avaliação dessas instituições, agindo — para fazer um paralelo com o nosso universo de investimentos — de maneira análoga às agências que avaliam risco de crédito. Uma última funcionalidade do site é prover dicas aos que estão começando, que vão desde segurança de dados até descontos na declaração de imposto de renda. Infelizmente, não podemos explicar todo o conteúdo do site e, caso você sinta curiosidade e deseje ser um doador bem informado, acesse o link mais acima.

Funções de Avaliação

Para demonstrar algumas funções do site, iremos usar a instituição BrazilFoundation, uma instituição de caridade fundada no ano 2000, que já arrecadou mais de 17 milhões de dólares e apoiou mais de 300 projetos relacionados à inclusão social, direitos humanos, educação, cultura e saúde no nosso país.

A Figura 1 mostra um panorama para a BrazilFoundation. As notas vão de 0 a 100 e 4 estrelas é o rating máximo que uma instituição pode receber. Nós podemos ver pelas notas que a instituição é bem reputável. A métrica financeira mostra o quão bem a empresa utiliza o dinheiro doado e a conta de transparência mostra o quão aberto ao público são seus gastos, operações, salários de executivos, etc.

Figura 1: Nota geral, financeira e de transparência da BrazilFoundation.

Na Figura 2 podemos ver o mapa desses ratings, que é especialmente útil para comparar várias empresas ao mesmo tempo (ferramenta que, infelizmente, o site não disponibiliza – ou pelo menos eu não fui capaz de encontrar). O Mapa de Rating mostra os resultados que tornam uma empresa 1, 2, 3 ou 4 estrelas, com base na sua transparência e eficiência.

Figura 2: Mapa de Rating e a posição da BrazilFoundation (ponto amarelo).

Na Figura 3 podemos ver alguns indicadores — alguns até familiares — sobre a instituição de caridade. Em “Program Expenses”, podemos observar que 84,9% do dinheiro arrecadado se converte na realização de benfeitorias, ao passo que 9,3% são usados com despesas administrativas e 5,6% em campanhas de levantamento de mais arrecadações.

Figura 3: Alguns indicadores da BrazilFoundation.

A eficiência do fundo de $0,10 nos diz que para $1 arrecadado, $0.10 são gastos em campanhas de arrecadação. A aparente inconsistência desse dado com o percentual gasto em campanhas de levantamento de arrecadações é explicado, porque nem todo o dinheiro que o fundo gastou veio de arrecadações. A Figura 4 mostra isso mais claramente.

Figura 4: Income Statement (Demonstração do Resultado de Exercício) da BrazilFoundation para o ano de 2018.

Aqui podemos ver que doações são apenas metade do que a companhia recebe, mas ela também gera outras receitas que, segundo o site, tem fonte em promoção de eventos pagos, aluguéis, vendas de produtos, etc. Entretanto, não é o objetivo do artigo ficar se estendendo sobre as métricas e os relatórios em si, mas mostrar que eles existem e, portanto, nos limitaremos ao que foi mostrado aqui.

Funções de Busca

Sendo também um database, você pode usar o Charity Navigator para encontrar instituições de caridade que atuam numa área de benfeitoria específica, como educação de adultos, amparo à pobreza, reflorestamento, etc. Você pode também buscar por popularidade, tamanho, nota, etc. Como o site é desenhado basicamente para residentes nos EUA, ele está limitado às instituições que, de alguma forma, estão ligadas ao país. A BrazilFoundation que nós citamos anteriormente possui, por exemplo, sua sede em Nova York. Além disso, o site é todo em inglês e isso pode ser uma barreira para algumas pessoas. Logo, encontrar instituições cujo escopo seja externo ao dos EUA, seja atuando internacionalmente ou no Brasil, por exemplo, é um pouco mais difícil. Ao lado da barra de busca possui uma opção “Advanced” e nas opções você pode ir em “List of Charities by Country”. A nova página mostrará uma lista de países que possuem organizações com rating de 4 estrelas sediadas nos EUA.

Na lista de companhias com projetos no Brasil eu estava interessado particularmente numa que atuasse na educação de jovens e eu encontrei a GlobalGiving que, dentre outras coisas, me impressionou com a sua altíssima eficiência em transformar arrecadações em projetos, sem perder muito pelo caminho, como mostra a Figura 5.

Figura 5: Alguns indicadores da GlobalGiving.

GlobalGiving

Como sugere o nome, a GlobalGiving é uma instituição com atuação internacional, com mais de 520 milhões de dólares arrecadados em mais de 27.000 projetos em 170 países. Curiosamente, assim como o Charity Navigator, a GlobalGiving também atua como uma agência de rating e atua dando suporte a outras instituições de benfeitoria social.

Para fazer outro paralelo com o mundo financeiro, é como se ela fosse a própria bolsa de valores — ou um marketplace de maneira geral, onde o propósito dela é conectar os doadores com as instituições e sendo uma agência de classificação, ela acaba filtrando instituições de caráter duvidoso, facilitando o trâmite financeiro e compilando num lugar só um leque de projetos por área de atuação e países.

Os projetos da GlobalGiving me parecem especialmente interessantes, porque muitos deles buscam fornecer ferramentas, treinamento e suporte às comunidades locais para que elas sejam as agentes da sua própria transformação e ganhem independência das doações. Além de ser uma estratégia mais consistente a longo prazo, esse tipo de ação pode se enquadrar naquele retorno composto que falamos na seção anterior.

Indo em Explore Projects, você pode acessar os nichos e os países que você deseja buscar projetos e doar para um projeto em específico. Também se pode aplicar outros filtros, como de parceiros creditados ou projetos cujo algum empregado da GlobalGiving visitou o lugar pessoalmente e aprovou a gestão, a eficiência e o impacto gerado pela instituição local através do projeto. Dando uma navegada pelos projetos filtrados, eu encontrei este aqui, que fornece treinamento vocacional para jovens no Brasil, realizado pela Dream Learn Work.

Dream Learn Work

A Dream Learn Work foi formada por seis companhias norueguesas com operações no Rio de Janeiro com objetivo de promover formação vocacional em diferentes níveis para jovens de áreas menos desenvolvidas, que não possuem condições de financiar os próprios estudos. Esse treinamento vai desde assuntos introdutórios ou cursos de idiomas até financiamento de cursos técnicos e diplomas de graduação. Aqui você pode ver um relatório das atividades de 2019 da organização e um vídeo teaser do impacto gerado pela instituição. Agora é só planejar a doação.

Resuminho

Caridade é legal para você e para o mundo. Faça isso de maneira consistente e consciente, se utilizando de aplicações periódicas e buscadores de eficiência para encontrar as melhores instituições para a causa que você acredita. O Charity Navigator e a GlobalGiving são duas dessas instituições avaliadoras que podem te ajudar a fazer uma doação que irá realmente transformar o mundo e não o bolso de algum charlatão.

Até a próxima, gente.

Artigo por: João Marcos

Revisado por: Guilherme Augusto e Rodrigo Monroe

Referências

[1] Plato – The Republic/Gorgias. Great Books of the Western World, Volume 7. Encyclopædia Britannica, 1952.

[2] Aristotle – Nicomachean Ethics. Great Books of the Western World, Volume 9. Encyclopædia Britannica, 1952.

[3] Novo Testamento. Marcos 12:41-44.

Deixe um comentário