Bitcoin – Análise Inicial

Muito provavelmente, você já ouviu falar sobre o Bitcoin e o crescimento exponencial de sua cotação. Mas você sabe o que é o Bitcoin? Como ele funciona? E como investir nele? Esse post irá te explicar tudo isso!

O que é o Bitcoin?

De acordo com Satoshi Nakamoto(pseudônimo utilizado pelo criador do Bitcoin), Bitcoin é um sistema de dinheiro eletrônico de ponto-a-ponto. Ou seja, uma moeda virtual descentralizada, independente de intermediadores ou órgãos centrais para controlar sua criação e transações, fazendo uso da criptografia para realizar tais funções. Dessa forma, podemos analisar algumas vantagens e desvantagens do uso dessa criptomoeda:

  • Vantagens:

Fuga das Taxas: como as transações são realizadas diretamente de pessoa a pessoa, sem que haja intermediadores, os custos relacionados ao Bitcoin são bem inferiores comparados às transações feitas com moedas convencionais, o que o torna um excelente meio de pagamentos.

Moeda global: é possível receber e enviar qualquer quantia de bitcoin em qualquer lugar do mundo a qualquer momento. Desse modo, as burocracias do mercado internacional são eliminadas, reduzindo as fronteiras comerciais e oferecendo uma maior liberdade ao usuário.

Não pode ser congelada: como o Bitcoin é uma moeda descentralizada, nenhum governo pode controlá-lo, sendo impossível impedir que as transações ocorram.

Anonimato: as transações não são associadas à identidade do usuário, garantindo privacidade ao usuário.

  • Desvantagens:

Volatilidade: o Bitcoin apresenta uma elevada variação de sua cotação, o que apresenta riscos àqueles que o utiliza como reserva de valor.

Grau de aceitação: apesar da crescente popularização do Bitcoin, ainda são poucos estabelecimentos e empresas que o aceitam como forma de pagamento, caracterizando, até então, uma baixa aceitação.

Anonimato: a garantia à privacidade do usuário apresenta também pontos negativos, uma vez que dificulta o rastreamento de atividades ilegais. Dessa maneira, o Bitcoin é uma das formas de pagamento mais utilizadas no mercado negro.

Funcionamento

Agora que já sabemos o que é o Bitcoin e algumas das vantagens e desvantagens de seu uso, vamos entender a tecnologia que está por trás dessa criptomoeda e o porquê de ela ser inovadora.

  • Blockchain

Quando dizemos que o Bitcoin é uma moeda virtual descentralizada, abre-se espaço para uma dúvida muito frequente: Onde ocorre o registro de suas operações? A resposta dessa pergunta é o que torna o Bitcoin inovador. As operações são registradas em uma rede distribuída e pública que contém todas as transações processadas, possibilitando o usuário verificar a validade de cada transação. Esse sistema de registro é conhecido como blockchain, uma grande rede de blocos interligados em sequência. Para uma transação ser aceita, ela será armazenada em um desses blocos e, se as informações ali contidas forem validadas, o bloco será conectado ao bloco anterior e adicionado ao blockchain. Uma vez adicionado, o bloco não poderá ser removido.

Nesse contexto, é possível avaliar a segurança oferecida pelo blockchain. Isso porque, para adulterar uma transação, será necessário alterar não apenas o bloco em que ela se encontra, mas também todos os blocos posteriores a ele, visto que os esses são interligados. Assim, para alguém conseguir realizar essa proeza, além de ter um gasto energético extremamente alto, precisará de um poder computacional elevadíssimo, o que é tecnicamente inviável nos dias atuais.

  • Mineradores

Falamos um pouco sobre o blockchain, mas ainda está faltando uma informação muito importante: quem é o responsável pelo registro das operações no blockchain? Aqui que entra os tão famosos mineradores! Para um bloco ser incluído no blockchain, é necessário resolver complexos cálculos matemáticos que demandam energia e força computacional. Desse modo, o sistema Bitcoin é programado para recompensar quem realiza esse trabalho, premiando o primeiro minerador que solucionou o problema matemático com Bitcoins recém criados.

Isso quer dizer que eu posso programar o meu computador para minerar Bitcoins? Sim, qualquer um pode ser um minerador, basta baixar o software. Eu vou ficar rico fazendo isso? Infelizmente não, atualmente, para conseguir ser recompensado minerando é necessário um investimento em uma máquina potente, capaz de resolver esses cálculos matemáticos de forma rápida. Caso você utilize um computador normal para realizar essa função, você estará competindo com verdadeiras indústrias de mineração, sendo praticamente impossível obter êxito.

No âmbito da mineração, também surge outra dúvida frequente: Se o sistema está constantemente emitindo novos Bitcoins, o que o impede de ser inflacionado? Os Bitcoins são criados em uma taxa decrescente e previsível. O número de novos Bitcoins criados é reduzido pela metade a cada 4 anos, até que a emissão seja suspensa com um total de 21 milhões de Bitcoins existentes (atualmente existem em torno de 16,5 milhões de Bitcoin em circulação). Assim, por existir esse limite, a inflação do Bitcoin torna-se controlada e previsível.

Os riscos

  • Risco de mercado

O Bitcoin não possui nenhuma garantia de valor de mercado. Sua cotação varia exclusivamente de acordo com a Lei da Oferta e da Procura, visto que não há nenhuma entidade capaz de sustentar sua cotação no mercado internacional. Dessa forma, como não podemos prever o comportamento da demanda por essa criptomoeda, seu valor sofre constantes oscilações, podendo tanto causar prejuízos, como lucros.

  • Risco de sistema

Esse é o risco relacionado à segurança do sistema como um todo. Já discutimos que, atualmente, é praticamente impossível fraudar os dados incorporados ao blockchain. Entretanto, nada garante que no futuro, com o avanço da tecnologia computacional, adulterar esses dados continue sendo algo inviável, assim como vulnerabilidades futuras poderão ser descobertas, pondo em risco a segurança do sistema.

  • Risco de acessibilidade

Possuir Bitcoins é sinônimo de deter as chaves privadas que te dão acesso a esses Bitcoins. Como o Bitcoin é uma rede descentralizada, a responsabilidade de custódia é exclusivamente do usuário. Desse modo, perder as chaves privadas corresponde a perder os Bitcoins! Não há a quem recorrer e não há forma alguma de ter acesso aos Bitcoins novamente. Portanto, é de extrema importância realizar backups de suas chaves privadas e mantê-las em segurança para garantir a posse dos Bitcoins e evitar perdas em seu patrimônio.

Como comprar Bitcoins?

É possível comprar Bitcoins de duas formas: negociando diretamente com o vendedor ou pelo intermédio de corretoras online especializadas nessa criptomoeda, conhecidas como exchanges.

  • Compra direta

Esse método consiste em encontrar alguém que esteja disposto a vender os Bitcoins para você por um preço que ambos aceitem. Após isso, a troca é feita: o comprador entrega o dinheiro ao vendedor, e o vendedor transfere os Bitcoins para a carteira do comprador. Esse modo de negociação é arriscado, pois não se pode descartar o risco de calote, principalmente, se a troca for realizada entre desconhecidos e de forma não presencial.

  • Exchanges

Esse é o método mais fácil e seguro. Primeiramente, é preciso realizar o cadastro em umas das exchanges existentes. Depois disso, o processo é semelhante à compra de ações na bolsa de valores, você informa o valor que quer pagar e quantidade desejada e, caso tenha uma oferta de venda compatível com o seu interesse, a negociação será concluída e os Bitcoins serão transferidos para sua carteira de Bitcoins.

Como investir em Bitcoins?

Antes de investir em Bitcoins, você deve ter em mente que esse é um mercado de alto risco, sendo fundamental não comprometer nada além do que possa ser perdido sem afetar de maneira significativa o seu patrimônio. Dito isso, vamos analisar algumas formas de utilizar o Bitcoin em sua carteira de investimentos:

  • Reserva de valor

O Bitcoin é uma boa alternativa àqueles que querem se prevenir de possíveis desvalorizações significativas de sua moeda nacional. Isso se deve ao fato dele ser uma criptomoeda global, sem nenhum órgão central, impossibilitando que algum governo realize medidas político-econômicas para interferir em sua cotação. Entretanto, vale ressaltar que o Bitcoin ainda é muito volátil, de modo que o patrimônio convertido em Bitcoin estará sujeito às oscilações de sua cotação, sendo desaconselhável fazer isso com grandes porcentagens de seu patrimônio.

  • Especulação

Provavelmente, essa é a forma mais popular de utilizar o Bitcoin. Baseando-se no crescimento exponencial de sua cotação até o momento (saindo de um valor inferior a U$1 em seus anos iniciais, e atingindo um valor acima de U$7000 nos dias atuais), muitas pessoas o compram na expectativa de vendê-lo no futuro por um preço ainda mais caro e, assim, gerar lucro. Mas lembre-se: ganhos passados não são garantia de ganhos futuros! Especular com Bitcoin é considerado uma prática de alto risco, portanto, caso deseje se aventurar nesse ambiente, não comprometa uma parcela significativa do seu patrimônio com isso. Esteja ciente que você poderá também perder dinheiro.

  • Diversificação

Quando você já possui uma carteira de investimentos consolidada e quer fugir um pouco do mercado financeiro ‘convencional’, o Bitcoin aparece como uma boa opção. Quando você coloca uma pequena fração de seu patrimônio em Bitcoins, você poderá tirar proveito de rendimentos a potenciais taxas elevadíssimas que são raras no mercado. Como o percentual de seu patrimônio destinado a essa aplicação foi baixo, você estará correndo um risco aceitável para aproveitar uma oportunidade que raramente se apresenta aos investidores.

Obrigado pela leitura, caro investidor! Caso tenha alguma dúvida, não hesite em nos perguntar! Lembrando que esse post foi apenas uma introdução, o universo do Bitcoin é muito maior do que apenas os conceitos abordados aqui. Siga empenhado em aprender cada vez mais!

Deixe um comentário