Ações: uma abordagem inicial!

E aí, pessoal! Tudo certo? Vamos começar pelo começo: O que é uma ação? Bom, a ação é basicamente uma parte, um pedaço de uma empresa. Vamos ver mais para frente nesse post que existem alguns tipos diferentes de ações, mas todos eles representam uma fração da companhia. Quando você compra uma ação, você se torna também dono dessa empresa! E, por ser dono, o acionista recebe parte dos lucros obtidos, porém pode também ser penalizado em alguns casos (falência, por exemplo).

O principal motivo que leva as companhias a emitir ações é a necessidade de maior capital para investimentos. Em outras palavras, a administração da empresa visualiza uma oportunidade de expansão de suas atividades, porém não possui dinheiro suficiente internamente para financiar esse projeto. Nessa situação, algumas alternativas para captação de recursos surgem, dentre elas a abertura de capital (emissão de ações). Esse processo começa pelo IPO (Initial Public Offering ou Oferta Pública Inicial, em português) que consiste em oferecer ao mercado as ações da empresa. Nessa etapa, as ações são negociadas diretamente entre as companhias e os investidores e, por isso, representa o mercado primário. Após esse momento, as ações já estão na mão dos investidores que podem negociá-las com outros investidores através das Bolsas de Valores, sendo caracterizado assim o mercado secundário.

Vamos voltar agora aos tipos de ações. Elas podem ser divididas em ordinárias (ON) ou preferenciais (PN). As ordinárias oferecem ao detentor a possibilidade de voto nas assembleias e, por isso, são meios de diluição da participação na companhia. Em outras palavras, as decisões da companhia devem ser tomadas levando em conta os votos de todos os detentores das ações ON. Por outro lado, caso um acionista ou grupo possua mais de 50% das ações ordinárias daquela companhia, os votos dos outros acionistas serão insignificativos para a tomada de decisões. Vamos tomar como exemplo a Petrobrás; no quadro abaixo (disponível aqui) está a composição do capital social da empresa:

Por agora, vamos observar a parte superior, que é relativa às ações ordinárias. A União Federal é detentora de 50,3% dessas ações e, por isso, controla a Petrobrás. As demais ações estão distribuídas entre outros órgãos públicos, fundos de investimentos, pessoas físicas e jurídicas e até mesmo estrangeiros (22,4%)!!

A segunda aba é referente às ações preferencias, que são aquelas as quais não oferecem direito ao voto. Por isso, o controle sobre a empresa não é afetado pela emissão desse tipo de ação. As ações preferenciais, entretanto, garantem o direito à preferência dos lucros distribuídos, seja na forma de dividendos ou juros sobre capital próprio. Voltando à Petrobrás, a União Federal não possui nenhuma ação PN, porém tem o controle da empresa garantido pelas ações ordinárias.

Outro exemplo envolvendo ações sem direito ao voto é o do Facebook. Há alguns meses, Mark Zuckerberg anunciou que irá doar 99% de suas ações (cerca de 45 bilhões de dólares) para ¨boas causas¨. O interessante nisso é que as ações doadas não terão direito a voto e, por isso, ele não deixará de ser o acionista controlador do Facebook.

Além disso, é necessário falar sobre o mecanismo de ¨tag along¨, o qual é oferecido obrigatoriamente para as ações ordinárias e também pode ser oferecido para as ações preferenciais. Esse mecanismo garante aos acionistas minoritários o direito de vender suas ações em condições iguais ou semelhantes àquelas acordadas pelo acionista majoritário, no caso de troca de controle da companhia. De forma mais didática: vamos supor que o Sr. João possui 70% de uma empresa e ele recebe uma oferta para vender cada uma de suas ações por R$10,00. O tag along garante que os detentores dos outros 30% da companhia também poderão vender suas ações por R$10,00 (100% de tag along) ou por R$8,00 (80% de tag along).

Para finalizar, vamos aprender a lógica por trás dos códigos que representam cada uma das ações. Eles são compostos por 4 letras que identificam as companhias e um número que está relacionado ao tipo de ação. As ações do tipo ordinária têm seu código formado pelas letras seguidas pelo número 3. Para ações preferenciais, as letras são seguidas pelo número 4 e, em alguns casos, pelos números 5 ou 6. Além disso, as ações podem ser negociadas em ¨pacotes¨, os quais são conhecidos como Units. Esses pacotes são uma combinação entre ações dos tipos ordinária e preferencial e são representados pelo número 11. Alguns exemplos desses códigos são: PETR3, ARZZ3, PETR4, VALE5 e SANB11.

Obrigado pela leitura e confiança na LIEQ! Espero que o post tenha esclarecido algumas dúvidas e que seja útil para criar uma base sólida para um estudo mais profundo! Se você tiver interesse em um material mais completo, dá um conferida na nossa apostila de renda variável clicando aqui! Ou fica atento na nossa página do Facebook (aqui), pois teremos novidades muuuuito em breve! Abraços. #vemcrescercomagente

Deixe um comentário