Índices de ações e o Ibovespa

Sejam muito bem vindos ao blog LIEQ! É com imenso prazer que hoje escrevo aqui esse que será o primeiro post do blog.

Como vocês sabem, a LIEQ começou nesse período o seu ciclo de renda variável e é nessa pegada que eu vou escrever hoje pra vocês.

Sempre que ouvimos os noticiários ou lemos o jornal esbarramos com as palavras Ibovespa, Dow Jones, S&P500 e afins. Mas afinal, o que seria isso? Muitas vezes sabemos que se trata de bolsa de valores, mas não temos certeza do que aquilo quer dizer.

Pois bem, esses são os índices de ações e eles buscam mensurar o desempenho de um grupo específico de ações. Há diversos índices e cada um deles nos fornece informações sobre diferentes tipos de ações e podem ser divididos por setor, valor de mercado, ou alguma outra especificidade (por exemplo dividendos, governança, sustentabilidade empresarial).

Parte da fachada do prédio da Bovespa, na cidade de São Paulo.

Hoje vou falar um pouco sobre o Ibovespa e o que ele representa. Vamos lá, os índices são formados por uma carteira teórica de ações que visa reproduzir os movimentos do mercado que está sendo analisado como um todo e para isso cada ação pode ter um peso dentro do índice. O Ibovespa é o índice que mede a performance geral das ações listadas na Bovespa, ou seja, como a maioria das ações brasileiras se comportam.

Atualmente há 59 ações de 56 empresas – algumas empresas têm ações de dois tipos – e 26 setores diferentes. Uma carteira bem ampla e bem diversificada. A primeira “carteira teórica” do Ibovespa foi montada em 1968, o índice foi lançado composto por 18 ações e o seu valor foi tomado como 100 pontos base. Esses pontos são os valores que vemos no jornal e variam conforme os preços dos ativos da carteira variam (de acordo com seus respectivos pesos). Dessa forma fica fácil analisar se, no geral, aquelas empresas estão subindo ou caindo, vendo a variação dos pontos em vez de analisar a variação de preço uma a uma.

Para fazer parte do Ibovespa a ação tem que seguir alguns critérios e o principal deles é a liquidez, ou seja, deve ser fácil conseguir comprar e vender aquela ação, além disso o volume financeiro nos negócios daquela ação deve ser grande (0,1% do total das 3 carteiras anteriores). Assim, o Ibovespa consegue captar uma visão geral das ações que mais são negociadas na bolsa brasileira e nos dá uma definição de como anda o mercado. Por isso muitas pessoas se referem ao Índice como o termômetro do mercado.

Este pôster eletrônico nos mostra a variação do Ibovespa desde sua criação e nos mostra também um pouquinho do que acontecia no país e no mundo nos momentos de alta ou baixa do índice. Vale observar que os valores do índice no pôster estão em dólar para eliminar efeitos de inflação.

Além do Ibovespa existem vários outros índices no mercado brasileiro e todos eles, bem como a metodologia por trás de cada um, podem ser vistos no site da BM&FBovespa. Lembre-se os índices são ótimos indicadores de mercado e podem auxiliar muito na hora da escolha da carteira, por isso busque entender como eles funcionam e quais ações se movimentam junto com cada um.

Muito obrigado pela atenção. Estou à disposição para ajudar caso tenham alguma dúvida. Não esqueça de deixar sua sugestão ou comentário aí embaixo, afinal eu quero falar sobre o que vocês quiserem escutar. Não deixe de seguir a LIEQ nas redes sociais. Nos vemos na próxima e bons investimentos!

Deixe um comentário